Ministério Público abre investigação sobre abuso de poder político em Itapemirim

Por

Resultado de imagem para thiago peçanha lopes

Após matéria publicada na coluna do jornalista Vitor Vogas, de A Gazeta do último dia 4 de fevereiro, replicada no Portal de O JORNAL (http://www.ojornalonline.com.br/ler.asp?codigo=4078), denunciando a farra de nomeações familiares na Prefeitura de Itapemirim, o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) deu início a investigação para apurar o caso.

A instauração de procedimento investigatória foi aberta pela Promotoria de Justiça de Itapemirim, que já determinou diligências para apuração das denúncias colocadas.

Nas denúncias levantadas pelo jornalista, o prefeito Thiago Peçanha determinou, por meio de nomeações, a contratação de 18 parentes em cargos distribuídos em vários escalões da administração municipal, dentre os quais estão irmãos, primos e agregados.

Pelos cálculos auferidos pela reportagem, só de salários mensais, os cofres públicos arcam com cerca de R$ 108 mil com o pagamento dos familiares do prefeito.

De acordo com o mesmo levantamento, o valor dispendido com os salários pode ser ainda maior, tendo em vista que alguns comissionados ainda não tiveram seus dados publicados no Portal da Transparência do Município.

O prefeito insiste em afirmar que os números foram inflados pela oposição política, numa tentativa de ludibriar o jornalista.

Segundo nota em resposta ao jornal A Gazeta, o prefeito só reconhece dois parentes nomeados – a irmã Adriana Peçanha Lopes Barbosa, que desempenha a função de secretária municipal de Assistência Social e Cidadania, além do primo Edvaldo de Andrade Peçanha, que é assessor de gabinete. Segundo o prefeito, ambos com notória capacidade técnica para ocuparem os cargos.

Thiago, que foi reeleito prefeito nas eleições de novembro de 2020, também sofreu, na última sexta-feira (05), a cassação de seu mandato para o cargo. A decisão foi proferida pelo juiz Romilton Alves Vieira Junior, titular da 22ª Zona Eleitoral de Itapemirim, sob a acusação de abuso de poder político, ao utilizar a máquina pública para conquistar vitória no pleito eleitoral de novembro de 2020.

A nomeação de estagiários foi a tônica da sentença de cassação dos mandatos do prefeito e de seu vice. No levantamento feito, o magistrado entendeu que o abuso se caracterizou com o aumento de 60% no número de contratação de comissionados em 2020 numa comparação com o ano anterior. Passou que houve de 401 em 2019 para 610 no ano seguinte. No caso dos servidores contratados, o aumento foi ainda maior. Em 2019 eram 171 contratados, enquanto em 2020 esse número alcançou 946 contratados, um acréscimo de 510%.

Confira mais Notícias

Política

Marataízes

Câmara de Marataízes tem sessão meteórica de apenas 12 minutos

Política

Cachoeiro de Itapemirim

Ricardo Ferraço participa de discussão sobre desenvolvimento econômico da Região Sul nesta segunda, em Cachoeiro

Política

Piúma

Câmara de Piúma derruba três vetos do prefeito Paulo Cola

Política

Marataízes

Vereadores de Marataízes irão aumentar o valor do Ticket Alimentação dos servidores da Câmara

Atos Antidemocráticos

Vitória/ES

Advogados pedem ao STF transferência de Capitão Assunção para presídio do Corpo de Bombeiros

Política

Vitória/ES

Coser acusa prefeito de Vitória de má-fé na divulgação de informações e plágio

Política

Anchieta

Decisão Judicial suspende votação de contas de Marquinho Assad na Câmara de Anchieta

Política

Itapemirim

PSOL de Itapemirim contesta nota publicada por ex-prefeito nas redes sociais - "Não há nenhuma possibilidade